Igreja em Células Imprimir
Image

  

O Ministério de Igrejas em Células é realmente a última moda do momento? Ou é um despertar das igrejas rumo a unidade do corpo? Ou ainda a melhor maneira de tentar imitar a Igreja Primitiva?. Este artigo de Josué Tavaves ( Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. )  traz uma visão diferente do Ministério em Células que algumas igrejas tem adotado.  Aproveitando o resultado da nossa última enquete sobre Células nas igrejas, Josué traz uma diferente abordagem deste assunto trazendo uma reflexão sobre o tema diante da Palavra de Deus.


MINISTÉRIO EM CÉLULAS

Para alguns, monte; para outros, pequenos grupos. Alguns mais fundamentalistas, G12; os ecléticos, células. De uma forma ou de outra a ênfase é dada para grupos reunidos em pequenos números. Tem o objetivo de compartilhar vitórias e dificuldades, dedicar-se a oração, estudo da Palavra e evangelizar.

O livro de Atos dos Apóstolos, apelidado nos seminários teológicos de Atos do Espírito Santo, está cheio de passagens que reformam a idéia de reuniões familiares. Ele mostra um retrato de uma igreja operosa, perseguida e acima de tudo unida.Vez por outra o Apóstolo Paulo remonta em suas cartas a expressão: "os da casa de fulano..." O próprio Cristo escolheu doze e não quarenta para apóstolo. E com eles esteve até a crucificação, ressurreição e posterior assunção.

Mas se o tema é bíblico, se tem respaldo das escrituras porque provoca polêmica? Por que tantas divergências na execução daquilo que veio a se chamar vulgarmente de células?

Na verdade o Novo Testamento sempre preferiu olhar o corpo de Cristo como um todo e não como uma parte, uma divisão circunstancial. Em Coríntios observamos o apóstolo Paulo falando  que, apesar de sermos muitos membros, fazemos parte de um mesmo corpo.

Aonde queremos chegar com toda esta introdução? Na verdade, o objetivo é trazer uma reflexão de alerta. Tal alerta não serve para ter a idéia presunçosa de fazer o estimado leitor mudar de opinião. Aqueles que defendem com unhas e dentes, ou melhor, com o respaldo da Palavra, que continue praticando o ensinamento neo-testamentário. Os demais que preferem os ajuntamentos solenes, que não o façam apenas religiosamente, mas com todo o coração voltado para a adoração e a contrição.

Existe uma tendência no meio dos defensores dos pequenos grupos de comparar o Corpo de Cristo com um corpo humano normal, o que é altamente concebível, portanto, se um corpo é formado por células, logo o Corpo de Cristo também deve ser dividido por células. Entretanto o ônus da primeira concepção também trás contra-argumentos dos quais passaremos a enumerá-los:

 

  • A célula, apesar de ser o elemento essencial, "menor" e ter funções elementares de extrema importância para o corpo, ela faz parte de um organismo maior. Umas são células que formam o tecido epitelial, outras formam o coração, outras ossos, sangue, tecido adiposo, etc. Logo a primeira lembrança que devemos ter é que não existe célula independente do corpo. Se existe uma idéia fixa no Novo Testamento, esta idéia chama-se interdependência. Uma célula que não quer viver junto com outras, esta estará fadada à morte.
  • O segundo ensino bíblico é que ninguém é melhor que ninguém, não existem mais importantes. Todos são importantes diante de Deus, todos têm um papel fundamental. Entretanto, nunca é demais repetir, o organismo tem muito maior relevância do que a célula isoladamente. Uma célula do tecido nervoso não é nada isoladamente, a razão dela existir consiste na sua utilidade no corpo.
  • Por fim, a única célula que se multiplica sem objetivo algum por todo o corpo são as células cancerígenas. Estas sim temos que ter bastante cuidado. Segundo os biólogos estas células são as mais belas do corpo e não se reproduzem por que existe uma ordem expressa do sistema nervoso central de que elas devem ficar como estão. Porém, por motivos que a ciência ainda desconhece, tais células começam a se reproduzir indiscriminadamente, causando a metástase.
Em suma, o risco destas reuniões é que elas virem um fim em si mesmos, que elas se isolem formando outras denominações a partir de heresias provocadas por experiências pessoais, que suscitem lideranças "cancerígenas", provocando a metástase do corpo chamado de Cristo. Célula que não considera o organismo a qual faz parte, que por sua vez não considera o corpo de cristo, e por fim o cabeça que é o próprio Senhor Jesus Cristo, deve ser retirada do corpo por não se tratar de célula mas de tumor. E tumor vem para destruir, para adulterar, causar turbulência ao corpo. Quem veio para roubar, matar e destruir foi o inimigo de Deus. Uma igreja madura não pode se deixar influenciar por modismos que vem como uma onda e logo depois desaparecem com a mesma força deixando as marcas no chão. É preciso estabelecer regras claras, lideranças comprometidas com Cristo e a Igreja, não perder de vista a visão do todo. Sem tal visão, jamais conseguiremos atingir os nossos objetivos mais elementares.

"...querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do  ministério, para a edificação do corpo de Cristo; até que todos cheguemos a unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a varão perfeito,à medida da estatura completa de Cristo; para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente. Antes, segundo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo. Do qual todo o corpo, bem ajustado, e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, faz o aumento do corpo, para sua edificação em amor." (Efésios 4:12-16)
 
Obs: A Figura que ilustra este artigo, foi retirada do site http://www.celulas.com.br 
 
 
Josué Tavares de Menezes
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.
Diretor de Teatro. 
Última atualização em Ter, 08 de Maio de 2007 14:08